Ir para o conteúdo principal

Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação. Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os termos e condições de privacidade.

ATRASOS DE PAGAMENTOS NA PERSPECTIVA DE UM EMPREENDEDOR

O gabinete design sueco Kurppa Hosk é uma das muitas pequenas empresas que lutam contra os clientes com atrasos de pagamento. No seminário da Intrum Justitia durante a Semana Almedalen na Suécia, o CEO Måns Jacobson Hosk partilhou a sua experiência pessoal com este tipo de problema.

“O retrato no relatório da Intrum Justitia é muito real. Os 30 dias estipulados na maioria dos contratos só posso sonhar com eles, de 40 a 50 dias são comuns no nosso negócio. A pior experiência que tivemos é de 120 a 150 dias, tira-nos o sono durante a noite. Você preocupa-se com os salários dos seus funcionários. Alguns anos atrás, por exemplo, estávamos numa situação de liquidez devido aos atrasos de pagamentos que ameaçavam toda a empresa, mas com a ajuda da Intrum conseguimos resolver o problema ", disse Jacobson Hosk

Antes, Mikael Ericsson, CEO da Intrum Justitia tinha referido e destacado no evento, algumas partes do Relatório Europeu de Pagamentos 2016, como o facto de 41% das pequenas e médias empresas (PME’s) dizem que os atrasos de pagamento limitam o seu crescimento.

As grandes empresas usam o seu poder para prolongar os prazos de pagamento e usam as PME’s como fonte de financiamento. É importante que eles respeitem os prazos de pagamento acordados, para o benefício de todos", explicou Ericsson.

Kurppa Hosk foi fundada em 2009 e hoje emprega 22 pessoas, tem um volume de negócios com cerca de 20 milhões de coroas suecas. A empresa trabalha na área de design e branding para muitas empresas suecas e internacionais. O CEO Jacobson Hosk também apoiou a conclusão do relatório, de que os atrasos de pagamentos prejudicam o crescimento.

 “Quando recebe os pagamentos com atrasos ou sabe que há um grande risco que isso possa acontecer, ficamos mais na defensiva com os nossos investimentos; não somos ousados. Para nós, já existe uma incerteza inerente à carteira de encomendas; podemos ter apenas alguns pedidos por poucos meses, e nós dependemos do fluxo de caixa estável", disse Jacobson.

A Semana Almedalen é o maior evento político na Suécia. Os Partidos políticos, o Governo, os Parlamentares, as Autoridades públicas, as Organizações e Empresas encontram-se em ambientes informais, tais como seminários e reuniões para discutir e debater questões sociais actuais. Todos os eventos são abertos ao público em geral. O evento é realizado na cidade medieval de Visby, na ilha de Gotland.

Em 2013, a directiva dos atrasos de pagamentos na UE foi implementada com o objectivo de reduzir os prazos de pagamento e fortalecer a moral de pagamentos na União Europeia. Pequenos progressos foram dados, no entanto, há pedidos frequentes para um período de pagamento obrigatório, não negociável. Entretanto, a maioria das partes interessadas não vê isso como a forma mais desejável - incluindo o empreendedor Måns Jacobson Hosk.

 “ Eu não vejo isso como uma solução. Precisamos de alguma flexibilidade, e um período mais longo devemos ser nós a escolher, como fazemos com clientes menores e que temos no momento, estão a passar por um período de transformação. Estamos a fazer um trabalho interessante com eles e estamos felizes por estender o período de pagamento, para lhes dar uma mão ", explicou.

Apesar das típicas PME’s estarem bem informadas que alguns clientes são maus pagadores, poucas usam ferramentas, tais como factoring ou seguro de crédito – na Suécia ou qualquer outro lugar na Europa- A razão é muita das vezes a relação comercial ser delicada.

 “Muitas das vezes você abstêm-se de agir ou ser persistente o suficiente por receio de perder essa importante relação, ferramentas como factoring contínua estar associado a empresas com dificuldades. Se usa, você preocupa-se que os outros possam aperceber-se que a sua empresa está com dificuldades." Diz Jacobson Hosk.