Ir para o conteúdo principal

Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação. Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os termos e condições de privacidade.

Dia Mundial da Poupança

Para comemorar o dia Mundial da Poupança, que se celebra hoje, divulgamos algumas dicas para controlo das finanças pessoais.

Fazer um orçamento, cumpri-lo, não gastar dinheiro desnecessariamente, colocar de lado dinheiro para as contas imprevistas são algumas das sugestões para manter o orçamento doméstico equilibrado.

Assim recomendamos:

  • Realização de um planeamento do orçamento familiar que liste todas as despesas que tem a cada mês
  • Elaboração de um calendário com as datas de vencimento dos pagamentos
  • Análise das contas bancárias pelo menos uma vez por mês
  • Pensar duas vezes antes de comprar alguma coisa – será que realmente precisa?
  • Reservar dinheiro para contas que sabe que vão surgir como o imposto de circulação e a contribuição autárquica.
  • Nunca assinar um contrato até ler e compreender os termos estabelecidos.
  • Ler as letras pequenas e as entrelinhas dos contratos e evitar custos extras pagando sempre dentro dos prazos.
  • Se sabe que não vai conseguir pagar uma despesa no prazo definido, negociar novos prazos de pagamento para não incorrer em taxas de juro incomportáveis.
  • Se não pagar uma dívida dentro do prazo e for contatado por uma empresa de gestão de cobranças exponha a sua situação financeira com o objetivo de encontrarem possíveis soluções.

Estes passos são fundamentais para se analisar a situação de risco de endividamento, controlar os excessos e garantir a possibilidade de ter um plano de poupança.

É preciso ter em conta que Portugal é um dos países europeus com os prazos mais alargados para o pagamento de facturas. Segundo o último Índice de Risco elaborado pela nossa empresa, o prazo médio de pagamento por parte dos consumidores é de 45 dias” refere Luís Salvaterra, Director Geral, acrescentando ainda que “para além desta situação, em Portugal o esforço das famílias e das empresas para sair da crise vai ser maior dos que em outros países da União Europeia. Deste modo, é fundamental que as famílias estejam prevenidas para enfrentar situações mais complicadas”.