Ir para o conteúdo principal

Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação. Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os termos e condições de privacidade.

Em Portugal 85% das empresas do setor industrial já aceitou prazos de pagamento mais alargados

O relatório Industry White Paper, estudo da Intrum Justitia indica que na Europa apenas 11% aceita prazos mais alargados.

O EPR 2017 Industry White Paper, estudo da Intrum Justitia que inquire mais de 10 mil empresas de 29 países europeus, indica que os prazos de pagamentos mais alargados estão a ter consequências negativas para as empresas de todos os setores.

O estudo revela que alguns setores são mais vulneráveis aos atrasos de pagamentos do que outros, apesar do relatório mostrar que todas as indústrias são afetadas negativamente por estes atrasos. Na Europa, quase um quarto das empresas de todos os setores analisados garante que um pagamento mais célere permitiria investir na criação de novos postos de trabalho.

No setor da Indústria, o prazo médio de pagamento concedido ao setor público em Portugal é 50% superior ao da Europa, e mesmo assim, o prazo médio de pagamento é largamente ultrapassado, com uma demora em média de 106 dias para liquidar as suas dívidas, uma média bem superior à da Europa que demora apenas 49 dias.

INDÚSTRIA
Industry White Paper PRAZO MÉDIO CONCEDIDO PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO
Portugal Europa Portugal Europa
         
Duração Pagamento B2C (dias) 36 27 30 28
Duração Pagamento B2B (dias) 63 45 73 49
Duração Pagamento S.Publico (dias) 62 41 106 49

Quando questionados sobre as principais causas dos atrasos de pagamento, 72% das empresas europeias pesquisadas apontam as dificuldades financeiras e 63% indicam o atraso de pagamento intencional como uma das principais causas.

Para Luis Salvaterra, Diretor Geral da Intrum Justitia: «o pagamento tardio no setor da indústria é comum, e continuamos a verificar um aumento do risco por toda a Europa e a pressão para que as empresas aceitem prazos de pagamento mais longos. A não inversão desta situação é preocupante e os atrasos de pagamentos têm várias consequências negativas na estabilidade e saúde financeira das empresas.».