Ir para o conteúdo principal

Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação. Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os termos e condições de privacidade.

A partir de 27 de junho de 2017, a Intrum Justitia e a Lindorff uniram-se para criar a maior empresa de serviços de gestão de créditos no mundo.

Para mais informações, pode ler aqui por favor

Pagamentos em atraso prejudicam crescimento

A actividade económica na União Europeia mostra sinais de progressão lenta, estimulando as empresas a ponderar a sua expansão, e possivelmente, fazer novas contratações de pessoas.

Ao mesmo tempo, os mercados globais são inundados com taxas de juro e de capital em mínimos históricos, e em alguns casos, praticando taxas em terreno negativo. As pequenas e médias empresas (PME’s) que procuram capital para se financiar, podem enfrentar uma realidade totalmente diferente ao depararem-se com esta situação.
- As condições de mercado são uma chave fundamental à disposição das PME's para a sua expansão no negócio e na contratação de mais funcionários. Embora frágil, a tendência económica na Europa é positiva e está ser bem recebida.
Apesar desta tendência, continua a existir uma grande incerteza em relação ao futuro, e as empresas hesitam, diz Cecilia Hermansson, professora assistente no The Royal Institute of Technology, em Estocolmo (KTH) e formadora economista-chefe no Swedbank.
A instabilidade na Europa e os conflitos que atualmente existem em algumas zonas do mundo, mostram um cenário político incerto. A guerra na Síria, a instabilidade no norte de Africa, a crescente migração e a fuga de refugiados para a Europa, o preço do petróleo e o próximo referendo sobre a continuidade do Reino Unido na UE, são factores que contribuem para a instabilidade originando a falta de perspectivas positivas em relação ao futuro.
- Contrair empréstimos não é o problema das PME's, as taxas de mercado praticadas são baixas, o problema reside no facto das PME's acharem que os bancos não estão disponíveis para emprestar como seria desejável.
A crise financeira que se debruçou sobre a Europa ainda afecta muitos bancos Europeus e em consequência ainda sofrem com a crise e desta forma restringem o acesso ao crédito, e além disso, entendemos que existe uma certa dificuldade por parte dos bancos compreenderem novos tipos de negócio e suas necessidades, como por exemplo, o investimento em novas tecnologias para acompanhar a concorrência, ou mesmo investir em ativos, tais como marcas, ideias ou recursos humanos, diz Cecilia Hermansson..
Outro factor que pesa sobre o financiamento Europeu às PME's, são os pagamentos em atraso ou inadimplência, que por muitos é visto como um obstáculo para a expansão do negócio. No relatório de pagamentos europeus, EPR 2015, da Intrum Justitia, podemos verificar que um terço das empresas inquiridas dizem que os pagamentos mais rápidos lhes permitiria contratar mais funcionários. Além disso, um em cada quatro empresas, disseram que os pagamentos em atraso contribuiu para a necessidade de despedir pessoal.
- O resultado da pesquisa é bastante claro - pagamentos em atraso, dificulta o crescimento das empresas e perdem o controlo sobre o seu fluxo de caixa, diz Annika Billberg, chefe de vendas, marketing e comunicações da Intrum Justitia.
Para os especialistas, os atrasos de pagamento das PME's, significa que teriam de aumentar drasticamente o seu capital operacional ou obter linhas de crédito muito extensas para lidar com a situação, algo que não está disponível para todos.
- Por exemplo, para uma empresa de consultadoria, com 20 colaboradores, e tendo um grande cliente com pagamentos em atraso pode originar problemas de liquidez nas suas finanças, diz Annika Billberg.